quarta-feira, 18 de março de 2009

Prostituindo o Preconceito


Fabito e Junior Bakana eram os meus companheiros naquela noite, não alimentávamos muitas expectativas, só queríamos fazer algo! Talvez tocar algumas musicas, ou simplesmente não fazer nada, mas pelo menos estávamos juntos, por muitas vezes já tínhamos murmurado sobre como era monótona a vida de um jovem cristão! Mas aquela noite nos prometia...
Naquele ponto, estávamos indo abastecer o carro em um posto, quando de longe pude perceber uma mulher caída no chão na panificadora ao lado, e o mais engraçado, é que não vimos ninguém se esforçando para socorrê-la, mais do que depressa estacionamos o carro e corremos em sua direção, quando tentei acorda-la e acomoda-la em meu colo, escutei a seguinte frase de uma das funcionarias do estabelecimento...
NÃO SE PREOCUPE! ELA É SÓ UMA PROSTITUTA
Karamba, eu estava com uma pessoa no meu colo que parecia ter perdido os sentidos, seu rosto pálido tinha cor de morte, sentia sua mão gelada e sua respiração falhando, eu mal podia acreditar no que eu tinha escutado, quase que inconscientemente vomitei de forma neurótica a frase.
NÃO IMPORTA, ELA É UM SER HUMANO.
Perguntei se alguém poderia ligar para a ambulância, mas eles já tinham avisado que a policia chegaria... a policia chegando, simplesmente olhou (inclusive para o decote da moça) e não fizeram nada. O ar de indiferença encheu aquele lugar, eu tinha uma mistura de indignação e medo, porque realmente ela não parecia estar bem!
Mais que depressa a carregamos para o nosso carro, já que ninguém tinha se prontificado a isso, e então começamos a orar, pedimos para Deus que ele tocasse em seu organismo e lhe dessa vida, repreendíamos fervorosamente todo espírito de morte, naquele momento ela começou a se debater, foi um alivio.. pelo menos ela ainda estava viva! O Junior tentava segurar a barra no banco de trás e Fabito dirigia o mais depressa que podia.
Finalmente chegamos ao hospital, sabíamos que ela tinha um convenio medico porque nos seus documentos encontramos uma carteirinha da UNIMED . Quando entrei no quarto de internação, pude notar novamente a indiferença, dessa vez por parte dos enfermeiros e funcionários, eu não estava entendendo nada, olharam para ela superficialmente e colocaram um soro e nos largaram...e eu ali sozinha, sem entender. Depois de 2 hs, ela acordou e já consciente começamos a compartilhar! Jennifer acordou aos prantos, ela olhava para mim e pedia socorro, achei que ela estivesse sentindo muita dor, e quando me propus a chamar a enfermeira ela disse que não, porque a sua dor era na alma... Jennifer foi Miss Brasil, chegando até nos representar na Miss Word, ela era formada em engenharia e tinha um linguajar refinado, Jennifer fora casada com um gerente de banco muito bem sucedido em Curitiba, mas por causa de sua beleza eles alimentavam uma relação doentia de ciúmes. Jennifer tinha acabado de se separar quando descobriu um câncer em estagio avançado em sua mãe, seus carros e bens tinham se transformado em diárias de quimioterapia e radioterapia, segundo ela seus gastos giravam em torno de quase 20 mil por semana, era pagar isso, ou ver a morte de sua mãe, como qualquer filha faria, Jenifer não poupou esforços até que chegou no limite... Ela já não tinha mais nada para se desfazer, no auge do seu desespero ela foi buscar a Deus... Mas buscou em um lugar que se chama mesa branca, e lá ela recebeu orientações que levaram ela a chegar a um extremo e aceitar uma proposta de emprego... era o único lugar que ela ganharia por semana e ainda teria comissões..a oferta de emprego era em uma casa de prostituição, especificamente a sexx appeal, bem conhecida por seus shows sensuais e pornográficos... ela se submeteu a isso por amor a sua mãe, de Miss Brasil e engenheira bem sucedida, Jenifer virou Prostituta... ela chorava enquanto narrava... ela compartilhava a dor de ser obrigada a conviver com ,assasinos,viciados, e pessoas que ela jamais imaginaria estar, a sua terapia era colocar tudo no papel, ela estava escrevendo um livro, mas especificamente aqueles dias estavam sendo insuportáveis, ela não estava mais dando conta de beber tantos champanhes (elas são obrigadas e beber muito porque ganham comissão na vendagem de bebidas) e de viver naquele contexto, foi então que ela de propósito teve um acidente de transito, foi ao hospital (os enfermeiros e funcionários já a conheciam dessa vez) ficou internada, mas ela fazia de tudo para não se recuperar,porque ela sabia a realidade que a esperava, naquele dia em especifico, ela estava tomando medicamentos fortes por causa da batida (ela estava toda roxa e machucada) e ela propositalmente tomou bebida alcoólica para que assim ela pudesse passar mal e ser internada, ela me confidenciou que com o atestado médico, ela não precisaria trabalhar naqueles dias, mas ganharia a diária que ela poderia mandar para sua mãe.... depois do desabafo, compartilhei sobre Jesus e o quanto ela era importante para ele, e então com um olhar que partiu meu coração, perguntou... Então me ajuda moça? Pode me tirar daquele lugar? me senti a pessoa mais impotente do mundo... para onde eu a levaria? Quem estaria disposto a receber uma prostituta em sua casa? A minha vontade era de levar para a minha, mas os meus pais não entenderiam... foi um dos dias mais frustrantes da minha vida, porque eu sabia o que Jesus queria dizer sobre amar o próximo como a ti mesmo...
No final da noite, fui obrigada a ligar para o cafetão da casa de prostituição para buscá-la, e depois fui pesquisar a veracidade da sua história , realmente ela não tinha mentido... recebi uma ligação dela dizendo que eu tinha sdo a melhor pessoa na vida dela nos últimos anos, e sabe de uma coisa, eu não fiz nada...se vivêssemos o verdadeiro cristianismo através do amor ao próximo, com certeza faríamos um mundo melhor, e quem sabe poderíamos ter mudado a realidade de Jenifer.
Jennifer me ensinou a não julgar pelas aparências...
Segundo as estatísticas da rede psi, nove em cada dês prostitutas foram violadas durante a infância e quase metade destas mulheres voltou sofrer abusos sexuais desde que começou a trabalhar na rua. As histórias dramáticas destas mulheres não começam apenas quando entram para o mundo da prostituição, mas logo na infância, segundo Inês Fontinha presidente da associação O NINHO, um inquérito feito a sete mil mulheres portuguesas acompanhadas ao longo de 10 anos denuncia que elas oriundas de famílias desestruturadas, muitas vezes com casos familiares de alcoolismo, nunca foram amadas e por isso são vulneráveis a entrar neste mundo.
Qual é a nossa resposta para a falta de amor? O que JESUS faria?

3 comentários:

Anônimo disse...

Jesus????

Certamente faria o que sempre fez desde que veio a este mundo. Ele simplesmente se deu,e é isso o que devemos fazer.

Todo ser humano tem algo para dar, seja um sorriso, um abraço, uma palavra, dinheiro, seja o que for.

O problema é que vivemos num contexto de "vinde a mim" literalmente, tudo eu, tudo meu !!! E não nos atentamos para a ordem de Jesus "Ide"... devemos ir SIM e enfim fazer o que ele nos mandou.

O que as pessoas realmente necessitam é do AMOR de Deus, manifesto através de nós, através de ações ;)

Anônimo disse...

by: marcela "pucca" ahsuhasa

rodsilva disse...

Toda vez que ouço esse tipo de comentário "é só uma prostituta" ou "é só mais viciado" ou whatever, sempre penso comigo. "Essas pessoas não fazem a menor idéia do quão 'nada' elas tb são e que a única coisa que pode lhes dar vida de verdade é Cristo". Quem perder a vida... acha-la-a!